quarta-feira, 23 de abril de 2014

gravidade e a perda dos sentidos...

inúmeras vezes, estende-se as mãos e o olhos...
poucas vezes "colhe-se" abrigo
raramente um olhar cheio...


os olhos caem e se veem perdidos (quando há chão)
quando a gravidade é o exagero da vida
a abundancia do sentir, que dá vida, como folha em árvore...


quando se tem olhos e não se pode ver...
quando se tem mãos e a pele intacta de você
quando a boca fala longe do ouvido


os pensamentos voam, mas não levam o calor
do beijo, do abraço...
quando não há despedida, mas se vão pra nunca mais


e a dor no coração, corta feito lamina afiada...
em câmera lenta... perde-se a vida
a gravidade é a perda dos sentidos


Um comentário:

A Marques disse...

Pungente!!!

Bom dia.

Postar um comentário