terça-feira, 22 de abril de 2014

22-04-2014


(...)Eu sem você não vivo

Um dia triste
Toda fragilidade incide
E o pensamento lá em você

(...)Eu sem você não vivo

Longe da felicidade e todas as suas luzes

(...)Eu sem você não vivo

Te desejo como ao ar/Mais que tudo/
És manhã na natureza das flores
(...)Eu sem você não vivo

Não te esquecerei um dia/Nem um dia
Espero com a força do pensamento
Recriar a luz que me trará você
(...)Eu sem você não vivo

Um comentário:

A Marques disse...

Uma imagem em branco, como uma página em branco... poética! Aquela página que dá lugar a muitas histórias e o lápis sempre em nossas mãos... Nem tudo é cem por cento. Escrevemos nossa história numa folha em branco, no dia-a-dia, mas nem sempre temos o controle de tudo. Ou talvez, bem pouco controlamos. Assim vamos escrevendo / improvisando por entre as pedras que a vida trás, pelos invernos afora em busca dos verões... A esperança sempre está presente. Eis o diferencial!!! Seu texto é muito profundo, dorido,... São versos de extrema intensidade!!! Que revela também os traços de uma saudade latente... Um trabalho muito bonito, embora remeta um tom de forte melancolia!!! Gosto de textos assim! Você trabalha muito bem!!! Uma boa tarde.

Postar um comentário