terça-feira, 21 de novembro de 2017

memória


ainda bem que guardo sempre na memória
dias felizes, dias tristes, guardo sempre minha história.
aquele olhar, aquele toque, aquele cheiro, aquela voz
e a poesia, que tocou fundo em minha vida...
ainda bem, que não me esqueço, nem quando quero
ainda bem, que eu resisto e persisto...
eu sou de acenos que não se despedem
quando pesa...quanto pesa!
é uma lagrima
um pensamento
um sentimento,
uma decisão.
há que se lembrar de tudo na vida
fazer valer, cada sopro, cada respiração
as reticências, em cada uma, um respirar profundo e sentido...
às vezes me sinto impotente... profundamente cansada
e a memória grita nos meus poros... e eu respiro um ar novo
e me percebo consciente... e vou caminhando
carrego minhas memórias, quem sou... e muitos sonhos
algumas pausas me querem arrancar do caminho
aí sou eu que grito: não quero voar!
é hora de cantar... de contornar a paisagem que me faz feliz
de construir novas memórias

terça-feira, 14 de novembro de 2017

calce meus sapatos


tantos sentimentos poderiam ser compartilhados
para tornar a vida mais leve e color.ida
a pressão é alta, quando gritam de dor...
e quando se quer parar, precisa é apertar o passo
e muitas vezes correr...
julga-se que a vida do outro deveria ser mais organizada,
poderia ser mais limpa e mais alegre
geralmente é simples apontar o caminho para os outros caminharem sozinhos
geralmente é simples contar os defeitos que os outros tem
difícil é dizer de si mesmo, quando o que se vê, não está  ou não se acha bonito
temos muitas setas que não apontam outra direção senão a própria vida...
é preciso, ao menos no fim do calendário se colocar no caminho e caminhar.
caminhe
refaça o trajeto
sinta as pedras
e os apertos
sem trocar de sapatos
quando a vida já não couber neles
use-os até o caminho acabar, antes de julgar


mordo silêncios



aos poucos fechamos as janelas,
não é deixar de existir para o outro
é já encontrar na paisagem, em qualquer uma...
é olhar pra dentro e se sentir pertencido...
não desenhar a memória dos sentidos, me fez morder silêncios
mas, muitas vezes eu sou o silêncio, e sangro...
veja que calar não é bem minha especialidade, nem sendo silêncio.
quando posso, escolho, não ouvir, calar!
mesmo um desejo meio nulo, resulta num bem...
deito os olhos no equilíbrio e aprendo mais uma lição do dia
as pessoas se machucam mais quando não se escutam...
A gritaria é sempre o atestado da surdez humana. Penso!
Mordo silêncios...por ora os meus...

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Olhar pede c’alma


As regras estão ferindo a pele e os olhos sangram doentes
As misérias são tantas e tão graves como a voz do peito
Via-se perto do abismo e decidiu pelo mergulho em si mesmo
Voou para lugares inabitados e insalubres
Via de perto feridas abertas e ossos quebrados
Na vida dele, fez-se um barulho... era para acordá-lo
Hoje canta silêncios no canto dos olhos
As pausas já não se desenham
O medo, o rio e a reza, tem sua companhia

O santo, o nome e a musica... sua vida

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

sobre nada

tanta coisa pra dizer... e aqui sigo esperando as palavras nascerem
tanto sentimento desprendido sendo agora remendado às palavras em gestação...
há que se ter paciência... sigo preparando os ouvidos para escutar com o coração
já me digo tantas coisas, capaz que agora se cale de vez...

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

"é tempo demais atravessado no peito- é música demais estancada nos olhos- é muito silêncio costurado na fala"