quinta-feira, 10 de agosto de 2017

╰✿✿╮*╰✿✿╮

... experimentar ausências absolutas
sem perder a ternura
precisa cavocar o peito
e encher de amor

em dor, meu coração não discute, não argumenta... só dói
entrar dentro dele é um exercício e tem que lembrar que é meu templo íntimo e sagrado,
e ver o sentimento despido dos adornos da vaidade, e ... me comprometer a melhorar o agir e o reagir
descobrindo "qual foi o momento do dia que você traiu a si próprio, quando você desrespeitou o caminho?"

...

refletir nesse mergulho profundo em si mesma pode e deve ajudar a compreender o mundo de fora, pois saberá do próprio coração as respostas para a vida a partir do amor...

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

gosto da palavra tão completa no silêncio...
nesse que vem me falar das coisas intraduzíveis...
e abraça todos os pavores e tristezas,
protege você de algum rancor, de algum bolor, desse inverno
essa palavra inversa, de som absurdamente mudo, muda a rota
da dor, para que não saia e não fira ...
tem vez que eu deito nessa pena de viver
pregando as palavras mudas no peito
regando de um balsamo nutrido de todo sentimento
tanto, que numa gota, vou-me toda...
tem muitas palavras que estão desistindo de nascer
elas tem medo, de ser exatamente o que são...
elas querem ser as asas e o pouso...
o sono e os sonhos
a dose e o exagero
o orvalho e a chuva
o vento e a tempestade
querem dizer que são mais do que o som
e os seus contornos...

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Templo íntimo

Queria ver o rio
Por um instante dançar com as borboletas amarelas e azuis
Quero sentir o cheiro da flor, da mata...
Ouvir os pássaros...
O tempo se fecha... só quero abrir as janelas desse peito e deixar o ar entrar e limpar tudo por dentro...
Queria um pouco de sim
Queria um pouco mim



segunda-feira, 10 de julho de 2017

poema


abrigo de olhares

dentro de ti, o mundo
com pesos e medidas
absurdas
entrelaços...
meus nos teus passos
minha história
é pra guardar
atravesso quintais
para ver seus poemas
nos varais
sol a sol
me debruço na janela
derramo meu verso
o que não sei calar
de um sentimento
que não sabe
nem aceita morrer
numa vida muda
contos de um sonho
fragmentado
exponho para quarar
quem sabe se cura
da doença do dia
a indiferença
na rotina é uma morte


sexta-feira, 7 de julho de 2017



Desamanhecer

Agora,
na cidade da tua ausência
outro dia
desamanhece. E súplice
um grito escorre na paisagem.
Todos os lugares
são feitos do teu antes.
Da janela,
a noite chega
com as mãos vazias. E
tudo ao fim se esvai
em volta
como um tecido de ventos.


Só meu coração insiste
em erigir teu nome...
para além do esquecimento.


SALGADO MARANHÃO

bálsamo

se todo choro fôsse
dessa lágrima que banha todo o corpo
escorre na alma, represando meus passos, nesse caminhar de lago
haveria aqui proteção em escudos de dentro e de fora
não haveria dor, curava todas as cicatrizes
fosse ele, o bálsamo
...