quinta-feira, 13 de março de 2014

só penso o que sinto

só sei da estação... quando chega na pele, no peito, nos olhos...
não vou adiantar os ponteiros...
há uma pressa de não chegar (a tempo)
meu pulso, vazio, só há ecos do peito... mais nada
mas, tem horas... essas horas que empoeiram nos olhos
quando há um atraso habitual de um carinho, de um abraço que não chega...
quando penso... é o que sinto!
às vezes sinto falta

2 comentários:

A Marques disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
A Marques disse...

Um texto bastante reflexivo! De fato, nesta trilha, por vezes tão cheias de trechos áridos, fica o coração como que à espera de uma paisagem, ou, de uma estação! Reinando assim uma expectativa... É essa expectativa que o alimenta. Pois, não fossem as emoções das chegadas "das boas vindas" nas estações, não precisariamos de trens e, nem teriamos, talvez, vontade, ou, motivos de ir...! Os écos no peito surgem como gritos mudos refletindo os desassossegos de um coração urgênte. Pois, bem sabes o coração das alegrias e(ou) dores que sentes.../ As vezes a própria ocasião nos leva a pensar -(e é o certo)- que o melhor é não passar o tempo adiantando as hora, mas, tentar viver o agora da melhor maneira, pois, arriscado seria a peito parar apenas para olhar um futuro incerto e distante e esquecendo-se do presente instante. O tempo que passa não perdoa os atrasos de cenas que não se deram!. Não nos concede segundas chances! Por isso se faz necessário esperar, sim, mas, ao mesmo tempo saber viver o agora, afinal, é no agora que temos a chance de agir e é a partir dos feitos do agora que teremos as boas lembranças no amanhã... e quando chegar o amanhã, teremos novos momentos, novas oortunidades, novos gostos e razões e, assim se vai... vivendo cada momento com sua beleza!!! // BONITO TRABALHO!!! PARABENS!!! Bom dia.

Postar um comentário