quinta-feira, 29 de junho de 2017

Da docilidade do tempo




O mesmo que passa e acaricia a gente...


O mesmo que dá o alerta para os cuidados de si... e do outro


O mesmo que diz não ficar, está sempre em movimento...


Transformando... Maturando... Ensinando


O tempo da música no meu peito, com suas pausas, seus silêncios...


Com toda dinâmica e intensidade... me faz viver na emoção


Em cada compasso, um folego novo preciso, para sustentá-la, junto comigo,


Suavemente, sem romper o en.canto...


Impressa pela voz, com todo sentimento.


Esse tempo color.ido... seja sempre escrito


Nos instantes da vida, sempre preciso!

Um comentário:

Anônimo disse...

Bonito texto! Faz lembrar dos momentos de que é feito a vida. Momentos dos quais sentimos no íntimo a necessidade de aproveita-los; dos quais extraímos forças para continuarmos seguindo; Momentos que ensinam, que alegram, que compensam; Momentos que passam e viram lembranças e, as vezes somos agraciados por essas boas lembranças que vem justamente reproduzir em nós o prazer de um momento já passado.


Bom trabalho! Boa noite!

A Marques

Postar um comentário